APRENDIZAGEM SOBRE ENERGIA ATRAVÉS DO TAI CHI, TUEI SHOU, PUSH HANDS, MEDITAÇÃO E OUTROS BENEFÍCIOS.

flavianew

Recentemente, estudando Pushing Hands com o Professor Tsai, ele me dizia muito a palavra “ceder”. Na prática, era preciso que eu cedesse bastante para não ser “vencida”. Percebi que quanto mais eu cedia, mais me cansava as pernas. Isso me fez refletir sobre o fato de que todo aprendizado requer um esforço. Mesmo aprender a ceder, também pode ser um processo muito trabalhoso, e que quanto mais me cansava a base (ou seja, as pernas), mais livre o resto do meu corpo ficava para seguir o treino num fluxo favorável.

Justo na mesma semana dessa reflexão, o Professor começou o capítulo 26 do Tao te Ching na aula de grupo com a seguinte frase: “O peso é a raiz da leveza”. E mais do que nunca essa frase fez sentido para mim, justamente porque eu havia experimentado no meu corpo sua veracidade. Quanto mais uma árvore enraíza, mais ela pode balançar ao vento sem risco de queda. O peso está embaixo, onde a força da gravidade já nos indica. Nós temos a tendência de deixar o peso subir, recebendo com a força da parte superior todos os impactos do mundo, e isso nos atinge, nos derruba. É como se uma árvore tentasse vencer o vento pela força das folhas e não pelo enraizamento. Simplesmente não faz sentido, mas é exatamente esse comportamento que nós normalmente adotamos.

Enquanto não trabalhamos nosso interior para essa mudança de comportamento, não conseguimos ceder fisicamente. O corpo reflete aquilo que o interior permite. E não é um processo rápido. Cada um leva o tempo que lhe couber para essa mudança. Precisamos abandonar o imediatismo porque ele nos atrapalha o caminho. Na busca do Tao, nenhum atalho serve. Nossa mania de procurar sempre opções rápidas e resumidas, não serve. Porque o caminho que seguimos segue o ritmo da Natureza, e nada nela se apressa. As coisas levam o tempo que tiverem que levar. É impossível acelerar o amadurecimento de uma fruta, a formação de um bebê, o ciclo da lua, a duração do dia. Quando buscamos atalhos, é porque esquecemos que as forças que regem todo o Universo, também nos rege. Não temos o poder de andar à frente dele. Andamos junto com ele, porque fazemos parte dele. Estamos em contato, colados, continuando e seguindo – assim como fazemos na prática do Pushing Hands.

Até pouco tempo atrás eu tinha a sensação que o estudo do Tao era como uma nova lente na frente dos meus olhos, e que por essa lente eu começava a rever todas as coisas que acreditava conhecer até então. Hoje, ao contrário, sinto que o estudo do Tao é justamente a retirada de todas as lentes que eu tinha para enxergar o mundo. O estudo do Tao é a busca de ler o mundo da maneira mais crua, essencial, verdadeira possível.

Também sinto hoje que eu tenho um Norte a seguir. Antes eu me sentia um tanto à deriva, sobre todos os aspectos da vida. Sentia que eu estava sempre à mercê das circunstâncias. Agora eu tenho um grande Norte que me orienta e que me deixa segura de que minhas escolhas são baseadas em algo realmente verdadeiro, e não apenas nas minhas vontades momentâneas. Porque nós somos seres muito volúveis e inconstantes, mas a prática de energia e a reflexão diária acabam se tornando instrumentos poderosos para estabilizarmos nossa mente/espírito, anulando cada vez mais o ego e seguindo em frente sem nos distrairmos e desviarmos o caminho. E mesmo que isso aconteça, temos a dica de como retornar. Muito mais importante do que não errar, é manter a humildade de reconhecer e recomeçar.

Agora que completei meu primeiro ano como professora de Tai Chi, percebo o quanto é difícil as pessoas incorporarem na própria rotina uma prática que ocupa apenas alguns minutos do dia. No início, a única coisa que precisamos nos comprometer é a praticar a postura do Abraço da Árvore, diariamente. Isso realmente leva alguns poucos minutos, mas ainda assim a maioria das pessoas encontra dificuldade de pegar as rédeas do próprio tempo nas mãos, assim como eu também tive dificuldade no início. Mas se não dermos esse primeiro passo, aparentemente simples, que é começar a ter constância (assim como todas as coisas da Natureza), de que forma os próximos ensinamentos poderão de fato chegar até nós?

Eu sinto um grande prazer em poder dar essas aulas, porque sei que estou entregando para as pessoas uma chave que pode abrir muitas portas se elas a pegarem nas mãos. Digo isso porque tenho tido a experiência no meu próprio corpo sobre todos os benefícios que tenho recebido desde que comecei a me dedicar a esse caminho:

– Eu saí de um estado permanente de irritação e descontentamento, me tornando uma pessoa muito mais tranquila e tolerante;

– Nunca mais tive crises de síndrome do pânico (era algo que simplesmente me impedia de viver em paz);

– Curei uma série de infecções urinárias que me levaram a um estado ainda pior de pânico porque a medicina tradicional ocidental não conseguiu resolver com nenhum remédio;

– Melhorei minha capacidade de concentração (sempre fui muito dispersa para aprender e escutar os outros);

– Já consegui estabilizar consideravelmente minha coluna cervical (tenho duas hérnias de disco na cervical, que há anos me geravam enxaqueca a ponto de vomitar de dor, tontura, pinçamentos constantes, muita dor e limitação de movimento). Diria que hoje esses sintomas já diminuíram 80% e eu sigo me dedicando para melhorar ainda mais;

– Minha TPM tornou-se muito mais amena, sem grandes oscilações de inchaço e nem de irritação;

– Sinto muito menos frio. Antes eu tinha os pés sempre muito gelados, mesmo usando mais de uma meia. Eu tinha a sensação de “frio nos ossos” dos pés, e isso passou;

– Estou com a imunidade mais alta. Eu era muito vulnerável para pegar gripes e resfriados.

Esses são alguns exemplos. Mas eu resumiria tudo isso dizendo que encontrei uma maneira de ficar em paz internamente, e que me sinto muito grata por ter a chance de reparar a tempo os danos que permiti que meu corpo sofresse até aqui. Hoje tenho a consciência de que saúde (em todos os aspectos) é algo que se cultiva, e não que se gasta até que seja preciso remediar.

Nossa cultura é muito baseada no excesso. Usamos e abusamos do nosso corpo, até que a bateria descarregue, e então adoecemos, nos remediamos com drogas, e recomeçamos o ciclo de gastar até a última gota de energia, para então novamente adoecermos… E assim seguimos esse padrão, entendendo ele como algo normal. Mas normal mesmo é ter saúde sempre. E isso nós podemos aprender a cultivar. A maioria das pessoas só pensa na saúde quando sente que ela está muito abalada, e isso eu aprendi pela minha própria experiência.

Dia desses, observando de canto de olho o professor executar o exercício que chamamos de “Reforço”, percebi que ele fazia de uma forma muito diferente de nós alunos. Quando perguntei a ele o motivo, ele disse que naquele momento sentiu que a energia já estava fluindo, e que então não precisava de todos os movimentos que normalmente nós fazemos. Achei muito interessante perceber que os mesmos exercícios têm muitos níveis de entendimento, dependendo do estágio em que você se encontra. Na prática do Tai Chi não existe essa frase “já entendi esse exercício”, ou “já o conheço o suficiente”. Todo material do Tai Chi pode e deve ser revisitado sempre, porque a nossa percepção sobre cada exercício irá se modificar e evoluir na medida em que avançamos. Culturalmente, toda nossa organização de estudos é baseada em conteúdos que assimilamos, superamos e passamos para o estágio seguinte. Mas o treino de energia não segue essa lógica. Não existe linha de chegada, conclusão de curso. É um estudo como uma caminhada, e não como uma competição de corrida.

O Professor sempre diz “o Tao é sempre justo”. Quanto mais você se entrega e pratica, mais benefícios ele te dá. Diferente da sociedade. A sociedade não é justa. Socialmente pode ser que você se esforce e se dedique muito, e ainda assim não obtenha benefícios ou sucesso. Mas o Tao é justo, porque ele é anterior a qualquer construção social. Ele é aquela verdade essencial que está por trás de todas as lentes que recebemos para ler o mundo.

Eu me sinto muito grata por ter a oportunidade de aprender coisas tão importantes, que transformaram profundamente minha qualidade de vida e minha relação com meu corpo e com o mundo. E me sinto igualmente grata por poder transmitir isso às pessoas que procuram a aula de Tai Chi. Essa função me dá um sentido. Sabe quando você está na rua e alguém te pede uma informação que você não sabe exatamente a resposta? Você sabe que o lugar que ela procura fica meio por alí… você vasculha sua cabeça e não consegue encontrar a direção certa para dar… você queria muito saber para ajudá-la, afinal você sempre esteve naquela região, mas acaba de descobrir que não a conhece tão bem a ponto de orientar o outro. Por fim você pede desculpa e diz que não sabe. Eu me sentia assim depois de anos como professora de outras práticas corporais: Frustrada por não conseguir orientar o caminho. Eu conhecia o corpo, mas faltava alguma peça.

O estudo de energia me abriu então essa porta, e enquanto sigo caminhando e aprendendo, posso fazer o convite àqueles que buscam ajuda: “Você pode vir por aqui junto comigo”.

 

06/04/2017 Flávia Lucato

E-Mail: flavia_lucato@yahoo.com.br

http://www.centrotaoista.com.br

CRISE DE ANSIEDADE, COMPULSIVIDADE PARA COMER, ROER UNHAS, IMPULSO OBSSESSIVO E COMPULSIVO

Sidnei

Apesar de eu aparentar ser uma pessoa calma, por dentro eu sou ansioso, e tenho crises de ansiedade que se manifesta de várias formas, incluindo comer demais, roer unhas, e um impulso obssessivo/ compulsivo.

            Após algumas sessões de acupuntura, eu tenho tido menos crises de ansiedade

Nas sessões de acupuntura, após a aplicação das agulhas nós ficamos quase uma hora deitados. Na minha  primeira sessão eu estava tenso, não consegui descansar direito e, ao levantar da maca, percebi que eu tinha suado muito na região dos rins e das pernas (sudorese). Na sessões seguintes meu descanso nesta uma hora tem sido cada vez maior, a ponto de, na última sessão, eu dormir profundamente e quase não apresentei suor na região dos rins e nenhum suor nas pernas.

Ao longo do meu dia, antes da acupuntura, eu venho tentando praticar um certo estado de presença (me concentrando nas ações do dia a dia) que por vezes me ajuda a ficar calmo… mas isso não tem muito efeito em minhas crises de ansiedade. Agora eu percebo que estas crises tem muito a ver com uma questão de desequilíbrio energético e a acupuntura está me ajudando muito nisso.

Eu espero melhorar cada vez mais e meu sincero agradecimento ao Prof. Tsai.

14/03/2017  Sidnei

www.centrotaoista.com.br

CEFALEIA CRÔNICA DESDE 2009

DSC01677.JPG

Relato de Maria Jose M. Rey –

O motivo de ter procurado o Centro Taoista de Acupuntura foi uma Cefaleia crônica. Exatamente no começo do ano de 2009 comecei a perceber que continuamente acordava no meio da noite com dores de cabeça. Procurei ajuda, através das várias especialidades médicas, foi uma verdadeira peregrinação pelos consultórios e logicamente nessas consultas, os mais solicitados em geral foram os exames de imagem como: raio X, tomografias e ressonância magnética da cabeça e da coluna cervical; em geral todos apontaram como causa o surgimento de osteófitos na cervical, mais conhecidos como bicos de papagaio, muito comum às pessoas da terceira idade, como é o meu caso. De 2009 até fevereiro deste ano (2017) passei por muitas fisioterapias com diferentes exercícios como RPG, aparelhos, antiinflamatórios e acupunturas. Fiz muitas pesquisas pela internet buscando ajuda e solução para esse problema; dessa forma aceitava sugestões com experimentar diferentes tipos de travesseiros, procurar colchão mais adequado, fazer alongamentos antes de dormir, enfim, vivia buscando alternativas que me ajudassem no alívio dessas dores e dessa forma me libertar de vez do relaxante muscular. Em fevereiro deste ano meu filho que estuda e trabalha muito, andou pesquisando pela internet, uma forma alternativa para ajudá-lo no combate dos sintomas do estresse e cansaço físico que vinha sendo acometido. Nessa pesquisa, encontrou como sugestão o tratamento com acupuntura. Dentro de uma pesquisa mais refinada e com a indicação dos muitos relatos de pacientes, acabou chegando no Centro Taoista do professor Tsai. Já na terceira sessão, ele começou a sentir uma grande melhora na sua performance e não teve dúvidas, me levou para conhecer o espaço, que por sinal muito agradável, tranquilo e acolhedor e o professor de acupuntura. Na primeira consulta, todos recebem por escrito as orientações necessárias para obter êxito no tratamento e eu não acreditei que passaria depois de tantos anos, uma noite bem dormida sem dores, no dia seguinte idem, e foram assim dez dias ou dez noites maravilhosas, a cada manhã eu agradecia a Deus por ter me dado a chance de conhecer esse espaço abençoado de energias renovadoras do corpo e do espírito; Enfim, acreditei que finalmente estava curada; e nesse sentido, confesso que não atentei as orientações do tratamento, é um processo que demandaria um certo tempo, mas não, esqueci tudo isso e lá foi eu à feira e saí puxando o carrinho pesado e sem falar de outras atividades domésticas, resultado: para minha tristeza, apesar de mais amenizada, voltei a sentir a dor de cabeça noturna. Retornado ao Centro, fui submetida a mais uma sessão e tudo indica que vou voltar a ficar bem; após esse deslize, estou me policiando, me controlando para não me exceder em nada, atentando para a importância das orientações a serem seguidas. Fica aqui uma dica importante, o grande diferencial que percebo é, mais que o procedimento da acupuntura realizada, o professor investe a sua própria energia e competência em prol do bem-estar físico e emocional dos pacientes, mas que é de suma importância, também, fazermos a nossa parte.

11/03/2017  Maria Jose M. Rey

cliqueOK Depoimento do esposo – Rui Rey

cliqueOK Depoimento do filho – Douglas

www.centrotaoista.com.br

 

FALTA DE APETITE, PERDA SIGNIFICATIVA DE PESO, PALIDEZ, DESÂNIMO, SEM FORÇAS, DESCONFORTO POR OCASIÃO DE UMA MÉDIA DE DEZ EVACUAÇÕES OU MAIS DIÁRIAS E ETC.

Rui

Ao Centro Taoista de Cultura da Longevidade

Prezado professor e a quem possa interessar.

É com muito prazer que deixo aqui registrado meu depoimento:

Tenho 68 anos, me aposentei cedo, mas nunca deixei de trabalhar, hoje sou autônomo e desde então sempre tive uma vida saudável, nunca precisei tomar nenhum medicamento, mesmo assim,  nunca descuidei da minha saúde, principalmente visitando anualmente o urologista; e foi numa destas consultas que em 2015 foi constatado um câncer de próstata, passei por uma cirurgia radical e fui aos poucos me recuperando até que, um ano depois, em 2016 um novo tumor foi encontrado no intestino. Me submeti primeiramente ao tratamento de radio e quimioterapia, sendo que trinta dias depois do término das sessões, encarei a cirurgia voltando pra casa com uma colostomia (bolsa), que felizmente  poderia ser revertida em alguns meses. Quanto a cirurgia foi um sucesso, dito pelos próprios médicos, mas o problema foi a recuperação, o  pós operatório que veio culminar com as reações da quimioterapia…ficando assim,  muito debilitado devido a infecção, desidratação, muita diarréia e perda de apetite; dos 75 quilos do meu peso normal, cheguei aos 58. Seis meses após a cirurgia em 03/01/2017 mesmo com baixo peso, foi realizado outra cirurgia, sob a orientação médica, agora para a reversão da colostomia.

Impacto causado/ estado físico e emocional

Falta de apetite,  perda significativa de peso, palidez,  desânimo, sem forças, desconforto por ocasião de uma média de dez evacuações ou mais diárias.   mas não perdi a fé, nem a força de lutar pela vida.

Família também adoece.

As pessoas dizem que quando um membro da família adoece gravemente e  por um longo período, a família também adoece; meu filho mais apegado a mim, começou a sentir também o impacto dessa realidade, que ninguém está a salvo, mas por ser um jovem que estuda e trabalha, não poderia deixar abater-se por essa energia negativa, que também atingiu suas emoções, o que ele fez? Pelo sintomas, ele percebeu que havia uma queda significativa  da própria energia física ou seja muito cansaço, apatia, irritabilidade…atitude dele foi buscar ajuda…..até que começou procurar pela internet, chegando no Centro Taoista de Acupuntura em fevereiro deste ano. Após a segunda consulta,  ele veio comentar  comigo e minha esposa que já estava começando sentir uma melhora, uma reação positiva acontecendo;  dessa forma achou interessante levar a mãe dele para conhecer os procedimentos do professor; minha esposa portadora de cefaleia crônica ha mais de sete anos, não pensou duas vezes e no que foi maravilhoso porque  já na primeira aplicação, ela deu mostra de bem estar sem as dores de cabeça e no que,  não teve dúvidas, conversou sobre meus problemas com o professor e agendou a consulta, bem lá fui eu também, bastante otimista, por conta dos relatos lidos no site  e principalmente pelos resultados satisfatórios apresentados pelo filho e esposa.

Já estou na quarta sessão e é nítido como venho me recuperando em todos os sentidos; meu apetite vem aumentando gradativamente assim como meu ânimo e o bem  estar, por estar retomando aos poucas minhas forças físicas; dessa forma,  sinto que meu organismo está voltando ao equilíbrio,  retomando o bem estar de antigamente, pois as idas ao banheiro já  reduziram bastante  e  em breve sei que também,  tanto o volume como o  aspecto das fezes voltarão ao normal, pois tenho fé, sou bastante otimista e  acredito que tudo é um processo,  que ainda demandará um tempo mesmo, para tudo se normalizar, voltando a minha plena forma.

Sei que nada acontece por acaso, frente a tantos sites que oferecem esse tratamento alternativo, chegarmos até o Centro Taoista,  dessa forma só tenho que agradecer a Deus, por ter nos colocado nas mãos abençoadas do professor Tsai que busca com muita atenção e dedicação atender da melhor forma as pessoas que o procuram, assim como eu e minha família. Deus continue abençoando sua vida e sua habilidade, para poder continuar atendendo pessoas que necessitam do seu atendimento.

Atenciosamente

Rui Rey – 10/03/2017

E-Mail: cepeia@ig.com.br

www.centrotaoista.com.br

FALTA DE ENERGIA, CANSAÇO E FALTA DE DISPOSIÇÃO

DSC01675

Obs.: Depois da minha experiência com Prof. Tsai, trouxe minha mãe para tratar dor de cabeça que faz mais de 8 anos,
com algumas sessões que já houve uma grande melhora…em seguida, trouxe meu pai que começou agora o tratamento.

 

Localizei o Centro Taoísta de Cultivo da Longevidade em uma busca pela internet, vez que gostaria de fazer um tratamento alternativo à medicina convencional.

Sempre senti muita falta de energia, cansaço e falta de disposição para atividades que gostaria de realizar. No entanto, os exames médicos convencionais nunca detectaram quaisquer problemas ou deficiências no organismo.

Diante disso, cheguei a tomar alguns tipos de vitaminas, que, embora apresentassem um efeito inicial, nunca tiveram um efeito satisfatório a longo prazo, perdendo a eficiência com o passar do tempo.

Dessa forma, encontrei alguns sites na internet que ofereciam tratamentos, mas não me interessei. Quando localizei o site do Centro Taoísta, no entanto, me chamou a atenção diversos depoimentos que descrevem casos complexos e muito mais graves que o meu, e demonstram a satisfação pessoal dos pacientes e a eficiência do tratamento.

Interessei-me igualmente, pois verifiquei que se busca um equilíbrio energético integral do indivíduo, bem como tratar as causas das disfunções corporais, e não somente os seus efeitos, como se observa normalmente nos tratamentos medicinais convencionais, que se baseiam na prescrição de remédios, ingeridos, não raramente, por uma vida inteira.

No mesmo dia agendei uma primeira consulta para a manhã do dia seguinte, quando expliquei ao professor Tsai tudo o que sentia, que, por sua vez, me esclareceu que tinha causas em uma deficiência energética, que seria regularizada com o tratamento de acupuntura e mantido posteriormente com a pratica de Tai Chi.

Realizei algumas sessões de acupuntura, e comecei a sentir diferenças em meu organismo. Por exemplo, minhas mãos e pés sempre muito gelados, o que equivocadamente sempre considerei relativamente normal, começaram a apresentar uma temperatura equiparada ao meu corpo. Igualmente, senti uma satisfação e uma paz interior, que demonstram equilíbrio corporal, perdido por vezes em nosso dia-a-dia, proporcionando, assim, maior disposição para atividades realizadas diariamente.

Acredito que, além de um tratamento físico/energético, tudo faz parte de um processo que envolve autoconhecimento e até mesmo uma expansão de consciência. Iniciarei nas próximas semanas a prática do Tai Chi como continuidade do tratamento.

Assim, agradeço ao professor Tsai pela dedicação e orientações, e recomendo às pessoas que passam por sofrimentos e dificuldades relacionadas à saúde.

 

23/02/2017   Douglas Marcera Rey

E-Mail: douglasrey@yahoo.com.br

www.centrotaoista.com.br

 

 

DOR NA COSTA, QUEDA DE CABELO, MENSTRUAÇÃO IRREGULAR, CISTO, GASTRITE AGUDA, CALÁZIO, BRUXISMO, CANSAÇO E ETC.

marcella-02-ok

Foi por sentir dor nas costas que encontrei o Centro Taoísta. Fiz a primeira sessão de acupuntura em abril de 2016, quando estava começando em um novo trabalho. Seria um projeto muito longo, corrido e com muita responsabilidade, então logo previ que poderia ser difícil se eu não me cuidasse. Já tive períodos nos anos anteriores em que só conseguia sair da cama rolando e meu pescoço estava sempre tão tenso que já havia me acostumado com os torcicolos frequentes.

 

A dor nas costas era o ponto mais crítico, mas no meu pacote ainda vinha queda de cabelo (cheguei a ficar com falhas na cabeça e não houve tratamento que funcionasse), menstruação irregular (tenho pequenos cistos), uma gastrite aguda (que foi curada anteriormente), calázios (cheguei a ter 3 ao mesmo tempo) e dentes trincados por causa do bruxismo.

 

Ainda assim eu continuava priorizando o trabalho. Minha família havia passado por alguns problemas e na minha cabeça eu conseguiria resolver tudo sozinha. Então tudo isso foi acumulando em parte por uma vontade de melhorar as coisas em casa, e em parte porque eu gosto muito do que faço. Além do volume grande de trabalho eu inventava mais atividades para fazer, ficando sempre sobrecarregada.

 

Saí da primeira sessão de acupuntura desnorteada. O Professor percebeu uma fraqueza nos meus rins e eu não esperava que a massagem fosse daquele jeito. A aplicação das agulhas foi bem tranquila, só senti uma pressão nos pontos em que foram inseridas. Mas a massagem, gente! Foi como faquinhas entrando nos meus braços e pernas. O Professor me explicou que a dor era sinal de bloqueio e conforme eu fosse melhorando ela passaria. No fim da sessão era como se algo dentro de mim tivesse sido chacoalhado várias vezes. Lembro de ir para o carro depois meio zureta mas bem aliviada. Que misto de sensações!

 

Senti muito sono nos dias seguintes às primeiras sessões. Eu estava acostumada a ir dormir muito tarde. Já teve época em que eu trabalhava de manhã em casa, ia para o trabalho, voltava e continuava trabalhando até de madrugada. Escrevendo isso agora percebo a minha falta de noção. Depois da acupuntura, mesmo se eu quisesse ficar trabalhando até de madrugada eu não conseguia ficar acordada. Meu corpo começava a desligar e eu resolvi não lutar contra o que ele estava dizendo. Dormi muito pelas próximas semanas, tive que reajustar várias atividades por causa do sono que sentia e isso me fez rever minhas prioridades.

 

Quebrar esse ciclo intenso de trabalho/preocupações não foi fácil (e ainda não é) porque é a forma que estou acostumada a viver há muitos anos. Mas aos poucos tenho conseguido diminuir o ritmo e mudar alguns hábitos. Eu ficava esperando o momento ideal: “Quando eu terminar isso, vou descansar”. “Assim que tiver tudo certo, eu posso fazer algo que eu quero”. Coisas assim. Mas a ideia é ir mudando de pouquinho em pouquinho a partir de agora, porque esse momento ideal dificilmente vai chegar um dia. Isso eu comecei a entender melhor com a acupuntura e o Tai Chi.

 

Tanto a acupuntura quanto o Tai Chi não são atividades passivas. Apesar dos benefícios imediatos de uma sessão serem perceptíveis, a melhora real só acontece quando a gente realmente se predispõe a colaborar. Aprender a descansar, se alimentar melhor e a respeitar os limites do corpo é muito importante.

 

No meu caso, eu melhorei bastante em muitos aspectos com a acupuntura. Meu cabelo ficou mais cheio, a menstruação ficou regulada pela primeira vez na vida, os calázios diminuiram. Passei o ano inteiro sem que minhas costas travassem e não tive nenhum torcicolo. A massagem das faquinhas realmente ficou menos dolorosa. Com menos dor no dia a dia, também fui ficando mais disposta. É uma vitória!

 

Mas tiveram momentos em que abusei um pouco e foram nessas horas que eu voltava a sentir alguma dor. É muito interessante como a acupuntura aumenta nossa sensibilidade para perceber as mudanças do corpo e começamos a assumir a responsabilidade sobre elas. É um estado de atenção constante.

 

Comecei 2016 fazendo duas sessões de acupuntura por semana e fui diminuindo. Hoje estou fazendo uma vez por mês e o Tai Chi uma vez por semana. Continuo tomando o chá e me alimentando bem. Eu ainda estou aprendendo a descansar, consciente de que um hábito de quase 10 anos pode demorar para ser mudado. Mas seguindo firme e constante, sei que uma hora eu consigo!

17/01/2017 Marcella Tamayo

E-Mail: marcella.tamayo@gmail.com

Veja meu depoimento de Tai Chi no Centro Taoísta

www.centrotaoista.com.br