DOR NA COSTA, QUEDA DE CABELO, MENSTRUAÇÃO IRREGULAR, CISTO, GASTRITE AGUDA, CALÁZIO, BRUXISMO, CANSAÇO E ETC.

marcella-02-ok

Foi por sentir dor nas costas que encontrei o Centro Taoísta. Fiz a primeira sessão de acupuntura em abril de 2016, quando estava começando em um novo trabalho. Seria um projeto muito longo, corrido e com muita responsabilidade, então logo previ que poderia ser difícil se eu não me cuidasse. Já tive períodos nos anos anteriores em que só conseguia sair da cama rolando e meu pescoço estava sempre tão tenso que já havia me acostumado com os torcicolos frequentes.

 

A dor nas costas era o ponto mais crítico, mas no meu pacote ainda vinha queda de cabelo (cheguei a ficar com falhas na cabeça e não houve tratamento que funcionasse), menstruação irregular (tenho pequenos cistos), uma gastrite aguda (que foi curada anteriormente), calázios (cheguei a ter 3 ao mesmo tempo) e dentes trincados por causa do bruxismo.

 

Ainda assim eu continuava priorizando o trabalho. Minha família havia passado por alguns problemas e na minha cabeça eu conseguiria resolver tudo sozinha. Então tudo isso foi acumulando em parte por uma vontade de melhorar as coisas em casa, e em parte porque eu gosto muito do que faço. Além do volume grande de trabalho eu inventava mais atividades para fazer, ficando sempre sobrecarregada.

 

Saí da primeira sessão de acupuntura desnorteada. O Professor percebeu uma fraqueza nos meus rins e eu não esperava que a massagem fosse daquele jeito. A aplicação das agulhas foi bem tranquila, só senti uma pressão nos pontos em que foram inseridas. Mas a massagem, gente! Foi como faquinhas entrando nos meus braços e pernas. O Professor me explicou que a dor era sinal de bloqueio e conforme eu fosse melhorando ela passaria. No fim da sessão era como se algo dentro de mim tivesse sido chacoalhado várias vezes. Lembro de ir para o carro depois meio zureta mas bem aliviada. Que misto de sensações!

 

Senti muito sono nos dias seguintes às primeiras sessões. Eu estava acostumada a ir dormir muito tarde. Já teve época em que eu trabalhava de manhã em casa, ia para o trabalho, voltava e continuava trabalhando até de madrugada. Escrevendo isso agora percebo a minha falta de noção. Depois da acupuntura, mesmo se eu quisesse ficar trabalhando até de madrugada eu não conseguia ficar acordada. Meu corpo começava a desligar e eu resolvi não lutar contra o que ele estava dizendo. Dormi muito pelas próximas semanas, tive que reajustar várias atividades por causa do sono que sentia e isso me fez rever minhas prioridades.

 

Quebrar esse ciclo intenso de trabalho/preocupações não foi fácil (e ainda não é) porque é a forma que estou acostumada a viver há muitos anos. Mas aos poucos tenho conseguido diminuir o ritmo e mudar alguns hábitos. Eu ficava esperando o momento ideal: “Quando eu terminar isso, vou descansar”. “Assim que tiver tudo certo, eu posso fazer algo que eu quero”. Coisas assim. Mas a ideia é ir mudando de pouquinho em pouquinho a partir de agora, porque esse momento ideal dificilmente vai chegar um dia. Isso eu comecei a entender melhor com a acupuntura e o Tai Chi.

 

Tanto a acupuntura quanto o Tai Chi não são atividades passivas. Apesar dos benefícios imediatos de uma sessão serem perceptíveis, a melhora real só acontece quando a gente realmente se predispõe a colaborar. Aprender a descansar, se alimentar melhor e a respeitar os limites do corpo é muito importante.

 

No meu caso, eu melhorei bastante em muitos aspectos com a acupuntura. Meu cabelo ficou mais cheio, a menstruação ficou regulada pela primeira vez na vida, os calázios diminuiram. Passei o ano inteiro sem que minhas costas travassem e não tive nenhum torcicolo. A massagem das faquinhas realmente ficou menos dolorosa. Com menos dor no dia a dia, também fui ficando mais disposta. É uma vitória!

 

Mas tiveram momentos em que abusei um pouco e foram nessas horas que eu voltava a sentir alguma dor. É muito interessante como a acupuntura aumenta nossa sensibilidade para perceber as mudanças do corpo e começamos a assumir a responsabilidade sobre elas. É um estado de atenção constante.

 

Comecei 2016 fazendo duas sessões de acupuntura por semana e fui diminuindo. Hoje estou fazendo uma vez por mês e o Tai Chi uma vez por semana. Continuo tomando o chá e me alimentando bem. Eu ainda estou aprendendo a descansar, consciente de que um hábito de quase 10 anos pode demorar para ser mudado. Mas seguindo firme e constante, sei que uma hora eu consigo!

17/01/2017 Marcella Tamayo

E-Mail: marcella.tamayo@gmail.com

Veja meu depoimento de Tai Chi no Centro Taoísta

www.centrotaoista.com.br

problema do fígado, dores lombares, asma, bronquite,emagrecimento, triste, cansada,rinite, pele do rosto aspera e etc.

miriam

Conheci o Centro Taoísta de Cultivo da Longevidade em 2008. Naquela época eu tinha dores lombares e precisava de analgésicos para poder trabalhar (sou dentista). Trabalhava em excesso, e na época tinha acabado de passar por uma perda na família. Além disso, me sentia mal depois de me alimentar, o que indicava ser algum problema no fígado. Após tentativas de tratamento tradicionais sem sucesso, procurei o Centro e comecei o tratamento de acupuntura com o Prof. Tsai. Comecei a sentir melhoras claras logo após a primeira sessão, e fui sentindo diferenças progressivas: as dores diminuíram até que cessaram. Não sentia mais mal estar após a alimentação. E só percebi que não estava bem em outros aspectos quando comecei a sentir melhoras no quadro geral: porque fiquei mais animada, percebi que estava triste e cansada; tinha tendinite, que eu já considerava da profissão, que passei a não apresentar mais; emagreci; minha pele melhorou consideravelmente; a rinite crônica quase sumiu; tenho asma desde pequena, e as crises passaram a ficar mais espaçadas até rarearem (considerando o tempo em que passei no Centro entre acupuntura e treino de tai-chi).
Logo após as primeiras sessões de acupuntura comecei a praticar o tai-chi por orientação do professor, a fim de ajudar a manter esse estado de melhoria. Desde a primeira aula até hoje venho praticando diariamente, sem falta. (embora a qualidade de cada prática tenha variado conforme o dia).
De 2014 até o fim de 2015 parei com os treinos em turma, ficando somente com os diários em casa, pois não podia mais comparecer no horário, aos sábados de manhã. Por conta disso percebi o quanto o treino orientado, em grupo, é importante. Não só o estímulo, natural de um treino em grupo, quanto a sintonia energética são fatores essenciais para quem, como eu, não consegue se firmar num estado de equilíbrio sozinha. A qualidade do meu treino individual caiu, ficou muito mais difícil, quase sofrido. Junto a isso, tive problemas pessoais que me abalaram emocionalmente (um após o outro, meus dois cachorros adoeceram, sofreram por meses e morreram; e problemas de saúde na família). Tudo isso me fez progressivamente voltar a um estado que não dá pra considerar como saudável. Novamente dores nas costas, tristeza e desânimo, asma, problema de pele, rinite, engordei. E ganhei um extra: dificuldade de andar.
Fiquei feliz pela possibilidade de voltar a praticar o tai-chi, agora num novo horário, e já senti enorme diferença desde a primeira aula. Me lembro do professor dizer que pode acontecer uma pequena piora antes da melhora aparecer e posso dizer: levei o maior baque após essa aula depois de tanto tempo. E uma melhora sensível logo após. Voltei a fazer acupuntura e estou muito bem, mas percebo o peso da idade. Conforme envelhecemos temos mesmo mais dificuldade de melhorar e manter esse estado.
Estou novamente na luta pra pelo menos voltar àquele estado em que me considerava relativamente bem, e tentar dessa vez subir aos poucos os meus degraus rumo ao equilíbrio. Agradeço ao professor Tsai por novamente estar nesse caminho, e à professora Flávia, que tem ajudado tanto nesse processo. Espero, de coração, que esse depoimento possa ajudar a outros que buscam a melhoria para si.

16/01/2017    Miriam Iwamoto

E-Mail: miriamiw@yahoo.com

Site: http://www.centrotaoista.com.br

GASTRITE, PSORÍASE, ÚTERO, OVÁRIO E AMÍGDALAS AUMENTADOS, MENSTRUAÇÃO IRREGULAR, DEPRESSÃO, ANSIEDADE, ASSUSTO FACILMENTE, CHORO FÁCIL, SUOR EXCESSIVO, CALVÍCIE, CANSAÇO EXTREMO, MÃOS E PÉS FRIOS, TENSÃO, MÃOS E LÁBIOS PÁLIDOS, INSÔNIA, NERVOSISMO

reginaok

Os problemas de saúde que tenho são: gastrite, psoríase, útero, ovário e amígdalas aumentados, menstruação irregular, depressão, ansiedade, assusto facilmente, choro fácil, suor excessivo, calvície, cansaço extremo, mãos e pés frios, tensão, mãos e lábios pálidos, insônia, nervosismo.

Tenho gastrite a 38 anos nunca consegui me alimentar direito tudo que comia me fazia mal era como se a comida ficasse parada no estômago, nesse tempo todo utilizei todos os medicamentos prescritos pelos médicos para bloquear  a produção de ácido no estômago mas nenhum medicamento surtiu efeito. Utilizei ervas conhecidas para problemas no estômago e a homeopatia que também não surtiram efeito.

Com relação a psoríase que tenho na nuca e dentro dos 2 ouvidos passei todas as pomadas de corticóides existentes em todas as potências, comprei pomada importada, fiz compressas com ervas, argila, fototerapia e nada surtia efeito é como não houvesse passado nada.

Já para a queda de cabelo excessiva que pode ser chamada de calvície utilizei shampoos, ervas e loções e nada melhorou.

Para os problemas menstruais tomei vários anticoncepcionais por 10 anos que acabaram me dando efeitos colaterais como dores de cabeça e surgimento de espinhas e por esses motivos parei de tomá-los.

Quanto a insônia, depressão e  ansiedade tomei medicamentos prescritos pelo psiquiatra e não encontrei melhora nos sintomas e como efeito colateral foi o aumento de peso e inchaço então parei de tomá-los.

Nesse tempo todo passei por cerca de 5 profissionais de acupuntura e fiz ao todo mais ou menos 59 sessões de acupuntura sem resultado algum me senti mais uma vez frustrada.

Resolvi tentar mais uma vez a acupuntura e procurei por acupunturistas no Google e resolvi marcar uma consulta com o Prof. Tsai.

Na primeira consulta com o Professor Tsai ele me disse ” Se eu estou falando que seus problemas de saúde vão melhorar é por que vão melhorar.” Isso me passou uma motivação pois senti que ele sabia e tinha confiança total no tratamento. Por isso deixei meu tratamento nas mãos dele é só confiar e seguir o que ele fala.

Estou na 8ª sessão de acupuntura e tenho visto ótimos resultados, a psoríase está cada dia mais clareando a vermelhidão, a pele está afinando pois era grossa e áspera. Quanto a gastrite há dias que sinto fome coisa que eu nem sabia mais o que era, alguns alimentos já não me fazem mal quando como. Quanto a insônia tem dias que durmo e só acordo com o despertador. Com relação a queda de cabelo, o cabelo continua caindo mas a queda diminuiu. Ansiedade, depressão e nervosismo diminuíram. O cansaço diminuiu já consigo fazer atividades que antes não conseguia.

Sei que tudo que estou passando faz parte de um processo e a cada dia que passa só aparece boas melhoras. E o melhor de tudo não há efeito colateral nenhum. No dia 03/01/2017 fiz minha primeira aula de Tai Chi nesse dia sai com um bem-estar, sei que preciso aprimorar e muito as posturas, pois estou investindo na minha saúde.

A única coisa que me arrependo é não ter conhecido o Prof. Tsai antes, pois vivia uma vida de sofrimento com essas doenças. Relatei o que vivenciei espero ter passado confiança para as pessoas que se encontram na minha situação de sofrimento com doenças que nem eu possam pararem de sofrer.

Atenciosamente

06/01/2017     Regina Avila Martines

E-Mail: regina.martines@hotmail.com

http://www.centrotaoista.com.br

Testimony of Flavia Lucato the student of Prof. Tsai Shien Jong on Tai Chi, Push hands and Taoist meditation …

Statement of process:

 I had been practicing Tai Chi and meditation every day for months, happy with a certain stability of my health. Without realizing it, I ended up parking in a comfortable area, without climbing another step of understanding. Until in a very intense class with Professor Tsai, he gave me a little “push” to make me realize what was happening. It was an intense lesson, forcing the connection on my axis a lot, and I was very tired. At first I thought that this effort had been bad, because it destabilized me and I felt old problems of my body to surface. But then I understood that this “worsening” gave me the impetus to go further, and after that episode I could more clearly understand some issues, including the body’s own connection to earth and sky. Once I was able to experience this connection more intensely, I also became aware of the grandiosity and absolute regimentation of these elements over me (of all of us, in fact), and in my training I began to experience the gentlest salivation sweeter. I had heard other people talk about “sweet saliva,” but until then it did not make sense to me.
After this episode I also understood with more clarity the need and importance of Push Hands. I did put the Push Hands practice as something important, but I think I just reproduced the Professor’s speech, without ownership of it. Now I can say that I have in me a real note to know that in the practice of Push Hands there is an essence to permeate the other movements that we learn. Even though I am still a beginner in practice, I recognize that there is indeed an essential issue.
Knowing (and feeling) that we are all governed by the same forces in this system is a knowledge that begins to permeate my way of seeing the world, 24 hours. It is a knowledge that makes me more humble, more tolerant and also more curious. (What else has always been here and I’ve never had eyes to see?) It’s as if the perception of my own world is widening. As if before I connected with a small diameter around me, but now that diameter extends on a spatial scale and I see myself as a small part of this great universe.
Another fact that has made me clear is the idea of the curve as a key to everything that exists. Nature has no straight lines, waves (or vibrations) maintains continuity by circular motion. Nothing straight endures. The planets align and rotate in constancy. Events as well. And our constant training brings us more and more to that frequency that rules the whole universe. Now the word “synchrony” that the Professor is talking about, also begins to make sense to me.
A phrase from the Professor this week was very present for me. It was something like: “We only have problems because we have this body. And it is then the means to solve the problems. ” It seems obvious, but this cleared to me the idea that the Professor also brought that the practice of Tai Chi is the union of all aspects to prevent issues like Alzheimer’s and Parkinson’s. This sentence showed me that other measures can only be partial, and that in Tai Chi practice we integrate all aspects, and that only with this integration can we fill all the gaps of our problems, which only affect us precisely because we have this body. I came to the image that our body is like “a test with consultation”. We have questions to solve, and the answers are here. But if we do not know where to look or how to study, we can not succeed in the test.
In everyday life I have realized how easy it is to enter a mechanical movement, disconnecting from what is essential. I feel as if I have awakened a “watcher” inside me, who often pulls me back to what is essential when my mind begins to “seduce” itself by unnecessary things.
Today I also begin to understand why the Professor had told me that too much sleep at night is not a good sign. Now I realize that this intense brain activity is an imbalance, and also that too much imagination tends to keep me out of this reality where we are.
After the last private lesson with the Professor, where we talked a lot about  胯 “Kuá” (pelvic region, hips, groin), my sense of rooting became more present in all the movements I practiced, including in the posture of the tree. It seems to have opened up some more channel of communication between the lower and upper parts of my body.
Thank you, Professor Tsai, for the valuable teachings …!

 Flavia Lucato, 12/1/2016

Depoimento da Flavia Lucato a aluna do Prof. Tsai Shien Jong sobre Tai Chi, Push hands e meditação Taoísta…

pushhands

Depoimento de processo:

 Eu vinha praticando Tai Chi e meditação todos os dias, há meses, contente com uma certa estabilidade da minha saúde. Sem me dar conta, acabei estacionando numa zona confortável, sem subir mais um degrau de entendimento. Até que numa aula bastante intensa com o Professor Tsai, ele me deu um “empurrãozinho” para que eu percebesse o que estava acontecendo. Foi uma aula intensa, forçando bastante a conexão no meu eixo, e eu fui embora muito cansada. A princípio achei que esse esforço tinha sido ruim, porque me desestabilizou e eu senti problemas antigos do meu corpo virem à tona. Mas depois entendi que essa “piora” me deu impulso para ir mais longe, e depois desse episódio eu pude entender com mais clareza algumas questões, inclusive a própria conexão do corpo com a terra e o céu. Uma vez que pude experimentar essa conexão com mais intensidade, me dei conta também da grandiosidade e da regência absoluta desses elementos sobre mim (sobre todos nós, na verdade), e nos meus treinos passei a experimentar a salivação mais suave (mais aguada) e mais doce. Eu já tinha ouvido outras pessoas falarem sobre a “saliva doce”, mas até então não me fazia sentido.

Depois desse episódio eu também entendi com mais clareza a necessidade e a importância do Push Hands. Eu colocava sim a prática do Push Hands como algo importante, mas acho que eu apenas reproduzia o discurso do Professor, sem ter propriedade sobre esse fato. Agora eu posso dizer que tenho em mim um apontamento real para saber que na prática do Push Hands existe uma essência para permear os outros movimentos que aprendemos. Mesmo ainda sendo iniciante na prática, eu reconheço que ali está de fato uma questão essencial.

Saber (e sentir) que estamos todos regidos pelas mesmas forças nesse sistema é um conhecimento que começa a permear minha maneira de ver o mundo, 24 horas. É um conhecimento que me faz mais humilde, mais tolerante e também mais curiosa. (O que mais que sempre esteve aqui e eu nunca tive olhos para ver?) É como se a percepção do meu próprio mundo se ampliasse. Como se antes eu me relacionasse com um pequeno diâmetro em volta de mim, mas agora esse diâmetro se estende numa escala espacial e eu me vejo como uma pequena parte desse grande universo.

Um outro fato que me clareou bastante é a ideia da curva como uma chave sobre tudo que existe. A Natureza não tem linhas retas, as ondas (ou vibrações) mantém a continuidade pelo movimento circular. Nada reto perdura. Os planetas se alinham e giram em constância. Os acontecimentos também. E nosso treino constante nos traz cada vez mais para essa frequência que rege todo o universo. Agora a palavra “sincronia” que o Professor tanto fala, começa também a me fazer sentido.

Uma frase do Professor nesta semana ficou bastante presente para mim. Era algo como: “Nós só temos problemas porque temos esse corpo. E ele é então o meio para resolver os problemas”. Parece óbvio, mas isso clareou para mim a ideia que o Professor também trouxe de que a prática do Tai Chi é a união de todos os aspectos para prevenir questões como Alzheimer e Parkinson. Essa frase me mostrou que outras medidas podem ser apenas parciais, e que na prática do Tai Chi nós integramos todos os aspectos, e que só com essa integração podemos preencher todas as lacunas dos nossos problemas, que só nos afetam justamente porque temos esse corpo. Me veio a imagem de que nosso corpo é como “uma prova com consulta”. Temos questões para resolver, e as respostas estão aqui. Mas se não soubermos onde procurar ou como estudar, não poderemos ter sucesso na prova.

No dia a dia tenho percebido como é fácil entrar num movimento mecânico, desconectando do que é essencial. Sinto como se tivesse acordado um “vigilante” dentro de mim, que muitas vezes me puxa de volta para o que é essencial quando minha mente começa a se “seduzir” por coisas desnecessárias.

Hoje também começo a compreender por que o Professor tinha me dito que excesso de sonhos a noite não é um bom sinal. Agora percebo que essa atividade cerebral intensa é um desequilíbrio, e também que imaginação demais tende a me manter fora dessa realidade onde estamos.

Depois da última aula particular com o Professor, onde falamos muito sobre o 胯 “Kuá” o: 胯 “kuà” (região pélvica, quadris, virilha), minha sensação de enraizamento ficou mais presente, em todos os movimentos que pratiquei, inclusive na postura da árvore. Parece que abriu mais algum canal de comunicação entre a parte inferior e superior do meu corpo.

Muito obrigada, Professor Tsai, pelos ensinamentos tão valiosos…!

 

   Flavia Lucato, 1/12/2016

OBESIDADE, DOR NA COLUNA, DOR LOMBAR, DOR CERVICAL, FASCITE PLANTAR, UNHAS FRACAS, RINITE ALÉRGICA, SINUSITE, INSÔNIA E ETC.

giani

Meu nome é Giani Cristina Sanches. Sou Secretária Executiva.

 

Eu encontrei o Centro Taoísta de Cultivo da Longevidade, procurando pela Internet: “ Acupuntura para tratamento de Obesidade”. Liguei e agendei a consulta.

 

Em 24/09, Sábado, foi a minha primeira consulta. Eu preenchi a minha ficha e coloquei que a minha procura pela Acupuntura era para tratar a Obesidade, mas que eu tinha outros problemas: dor na coluna (cervical, lombar); dor nos pés (fascite plantar) e outros. O Prof. Tsai me perguntou se eu tinha lido todos os depoimentos do site e eu disse que não tinha lido todos. Li somente alguns relacionados ao problema de Obesidade. Ele me pediu para ler mais. A primeira sessão de acupuntura me assustou um pouco, por conta que é necessário fazer um desbloqueio energético para depois fazer a aplicação de acupuntura. Senti dor mas, ela é suportável. Na sequencia recebi as recomendações necessárias e que seria necessário fazer uma aplicação de acupuntura durante a semana, para manter o equilíbrio energético e tomar um chá diariamente.

 

Cheguei em casa, entrei no site e li vários depoimentos. Segui as recomendações e tomei o chá todos os dias, seguindo também a forma de preparar e tomar.

 

Na segunda consulta, quando cheguei, li no painel de avisos, o depoimento de uma amiga, que trabalha comigo, faz o tratamento e faz Tai Chi. Me senti segura e no lugar certo.

 

O tratamento seguiu nas consultas de 29/09, 01/10, 05/10 e 08/10. Melhorei muito da dor na coluna, da dor nos pés,  e apresentei melhora na respiração (eu tenho rinite alérgica e sinusite); o sono melhorou, as minhas unhas cresceram (estão mais fortes) e eu estava mais disposta a cada sessão.

 

No dia 12/10, no feriado, eu fui a feira e puxei o carrinho de compras (aproximadamente uns 9 quilos em uma subida). Quando eu cheguei em casa senti que algo estava errado, eu estava com o rosto vermelho e transpirava muito. Pensei: não devia ter feito isso! Comecei a sentir dor novamente.

 

No dia 13/10, na minha consulta, não aguentava de dor na coluna. Estava a ponto de chorar. Quando falei para o Prof. Tsai o que fiz, ele me disse que eu não podia ter feito. Nas recomendações que eu tinha recebido, estava escrito somente caminhada. Eu fui ingênua e não sabia que poderia ocorrer isso, pois eu estava muito bem. Estar sem dor é maravilhoso. Faz você se sentir bem.

 

Agora, ciente das consequências, estou na sequencia do tratamento. Já fiz consultas em 16/10 e 19/10 e estou melhorando novamente.

 

Quanto a obesidade, vou emagrecer, mas agora estou buscando melhoras nas minhas dores e o Prof. Tsai disse que o emagrecimento acontecerá automaticamente e eu acredito. Na próxima consulta iniciarei o Tai Chi.

 

Para aqueles que lerem o meu depoimento, eu ainda estou em tratamento, mas recomendo.

 

Agradeço ao Prof. Tsai por sua atenção, orientação e acompanhamento.

 

 

 

19/10/2016   Giani Cristina Sanches

E-Mail: Giani.sanches@uol.com.br

http://www.centrotaoista.com.br